domingo, 3 de maio de 2009

Uma mãe lê um livro

"Uma mãe não se esgota nos filhos. É mais, muito mais. É mais do que a família, mais do que a puericultura, os cuidados, os medos, as madrugadas, as palavras. É ridículo que, quando se fale de mãe, se fale necessariamente de filhos. Às vezes os filhos não merecem as mães, note-se. Por isso, a identidade de mãe não se esgota quando lhe atribuem a licença de uso & porte de filhos – é uma identidade que passa por outras coisas. Coisas amargas e profundas, inesquecíveis, dolorosas, cheias de risos, de nomes perdidos, de sacrifícios inteiros ou repartidos, memórias de outras mães antigas. Há uma bondade de mãe, tal como uma maldade de mãe. E, curiosamente, tudo vem nos livros. Uma mãe lê um livro – não há muitas coisas tão de mãe como essa."

Francisco José Viegas, no catálogo de sugestões para o Dia da Mãe da Bertrand

2 comentários:

Alexandra disse...

Sinceramente, gostei destas palavras!!

rouxinol de Bernardim disse...

Apoiado! Assino por baixo...