segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

A Sociedade Literária da Tarte de Casca de Batata


Londres, 1946.
Um sucesso literário estrondoso.
O prazer de ter bons livros para ler.
Juliet Ashton procura isto tudo... de novo.

Juliet recebe uma carta de um senhor chamado Dawsey Adams, que reside na ilha britânica de Guernsey, a comunicar que tem um livro que outrora lhe pertenceu. Instantaneamente começam a trocar missivas, primeiro sobre o autor do livro, já que ambos partilham o gosto pela sua vida/obra, depois sobre o que levou Juliet a separa-se dele e, a certa altura sobre uma certa sociedade da qual Dawsey Adams faz parte.
Curiosa por natureza, Juliet pede a Dawsey que lhe fale mais sobre a dita sociedade, sobre a história do porco assado e sobre como esta nasceu. A história é tão hilariante que vê aqui imediatamente material para o seu artigo do suplemento literário do Times. Dawsey trata de a pôr em contacto com os outros membros da sociedade e Juliet começa a corresponder-se com vários habitantes da ilha.
E assim descobre que Guernsey foi ocupada pelas tropas alemãs durante a segunda Guerra Mundial e a importância deste clube secreto que nasceu do acaso e que depressa se transformou num refúgio semanal, pleno de emoção e de sentido, ao contrário do que se passava fora daquelas quatro paredes, onde tudo era absurdo e cruel.
Fascinada com a história da dita Sociedade Literária e ainda mais com o carinho que as pessoas lhe dedicam, Juliet decide visitá-los. Nada mais será o mesmo na sua vida depois de Guernsey.
----
Uma história sobre o valor da amizade e o poder de escape dos livros. Um conjunto de cartas comoventes, como só um pedaço de papel consegue ser. Recomendo!

1 comentário:

Maria Pereira disse...

Acabei de ler este livro e adorei! Sem duvida diferente e surpreendente no bom sentido... tb recomendo, sem duvida

Boas leituras